HOME

XILOGRAVURA


CASA DA XILOGRAVURA

       O que é
       Onde Fica
       Horário de Visitação
       Como contatar
       Diretoria
       Mantenedora


XILOGRAVURA

       O que é
       Como se faz
       História


VISITA AO MUSEU

       Salas
       Acervo
       Memorial Chiquinho
       Lojinha


EVENTOS ATUAIS

       Mostra do Acervo
       Mostra temporária
       Destaque da vez


BOLETIM INFORMATIVO

       Edições Anteriores


RETROSPECTIVA



ASSESSORIA DE
IMPRENSA


FALE CONOSCO

:: ADICIONE AOS FAVORITOS ::


:: HOME ::




 





O que é


Etimologicamente, a palavra xilogravura é composta por xilon, do grego, e por grafó, também do grego.
Xilon significa madeira e grafó é gravar ou escrever. Assim, xilogravura é uma gravura feita com uma matriz de madeira. Simplificando, pode-se dizer que é um processo de impressão com o uso de um carimbo de madeira.

>>>     




Como se faz


Para preparar uma matriz xilográfica é preciso realizar trabalho de entalhe em um pedaço de madeira, deixando em relevo a imagem que se pretenda reproduzir. As partes altas (em relevo) receberão a tinta e transferirão a imagem para o suporte.
Geralmente as xilogravuras são impressas em papel, mas também podem ser feitas por impressão em outros tipos de suporte.
Quase sempre a impressão é feita com o emprego de tinta, que é previamente aplicada sobre a matriz. No entanto, há xilogravuras impressas sem tinta, nas quais o relevo provocado pela pressão da matriz sobre o papel é o bastante para que o observador possa distinguir a imagem. A impressão pode ser produzida por uma prensa de rosca (de parafuso vertical), ou uma prensa de cilindros, ou até sem prensa nenhuma. Com a pressão de uma colher de pau (ou outro instrumento arredondado, liso e sem arestas) exercida no verso do papel, pode-se pressioná-lo centímetro a centímetro contra a matriz, provocando a transferência da tinta da matriz para o papel. No Oriente, em vez de colher de pau, usam para essa impressão manual de xilogravuras um instrumento que denominam baren, uma espécie de bolacha feita de um recheio firme e flexível (barbante enrolado, cartão), revestida por folha de bambu e dotada de um pegador do mesmo material. Ao que consta, no século catorze os xilógrafos europeus usavam, para exercer pressão sobre o papel, uns tampões com miolo de crina revestidos de pano.
A xilografia desdobra-se em dois tipos: xilografia ao fio e xilografia de topo.
Na xilografia ao fio, também chamada de madeira à veia ou madeira deitada, o artista, para fazer a matriz, lança mão de uma tábua, isto é, de um pedaço de madeira cujo corte se fez da copa à raiz, longitudinalmente ao tronco.
Diferentemente, na xilografia de topo, também denominada madeira em pé, não se utilizam tábuas. O xilógrafo faz a matriz entalhando na superfície de um disco de madeira obtido com o corte transversal da árvore. Ou seja, ao cortar o tronco, a lâmina da serra opera em um plano perpendicular à direção das fibras.



>>>     




História

Não se sabe ao certo quando a xilografia começou a ser praticada, nem quem foi o seu inventor. A xilogravura em papel mais antiga, dentre as que se conhecem, ilustra um exemplar da oração budista Sutra Diamante, editada por Wang Chieh, na China, no ano 868. Acredita-se, porém, que a xilografia do Extremo Oriente já estampasse tecidos séculos antes, talvez inicialmente na Índia. Na Europa, o testemunho mais remoto é um tecido impresso no século doze. Há, porém, quem afirme que a estamparia européia de tecidos exista desde o século sexto. Nos séculos quatorze e quinze, os europeus utilizaram intensamente a xilografia para produzir imagens sacras (santinhos) e cartas de baralho.

Baralho

Na seqüência, alguns artistas alçaram a xilografia a vôos mais elevados, em especial o alemão Albrecht Dürer (1471-1528) que iniciou novo capítulo dessa arte com a série do Apocalipse (1499), na qual conduziu seus traços em busca das potencialidades da madeira, dando-lhe uma linguagem plástica peculiar e notável. As xilogravuras de Dürer influenciaram grandemente a ilustração alemã.
Outro centro de excelência xilográfica, à época do Renascimento, foi a Itália, em especial as cidades de Veneza e Florença. Embora subordinada à ilustração de livros, a xilogravura italiana desdobrou-se em criatividade, graças à tradição miniaturista na qual os italianos exercitavam certa liberdade ornamental. Quando já prestava seus serviços em toda a Europa, a xilografia veio, entretanto, a perder terreno. A partir do século dezesseis, sofreu forte concorrência da gravura em metal. Na época, ainda não se praticava xilografia de topo e a gravura em metal permitiu obter imagens mais ricas em delicados traços e em finos pormenores, coisa que a xilografia ao fio não conseguia fazer. Embora a matriz de metal entalhado tivesse a desvantagem de exigir uma segunda impressão, pois é entintada de modo diferente do praticado para a tipografia, que é técnica de matriz em relevo, aquela vantagem fê-la levar a melhor.
Enquanto isso, porém, no outro lado do mundo, no Japão, a gravura em madeira conheceu magnífico momento de esplendor com a Escola Ukyio-e. Produzida principalmente em Edo, hoje Tókio, do século dezessete ao dezenove, a gravura Ukyio-e representa a primeira libertação da xilografia em relação ao livro. Produzida em folhas avulsas, com tiragens enormes, propiciadas pelo trabalho de equipes de entalhadores e impressores reunidos em oficinas coletivas, atendeu, com seu abundante colorido e pela descrição das paisagens e do dia-a-dia, ao gosto dos comerciantes, contrapondo-se à arte aristocrática, que no Japão da época imitava os padrões chineses, mais idealizados e menos ligados ao real. Os maiores expoentes da xilografia Ukyio-e foram Utamaro Kitagawa (1753-1806), Hokusai Katsushira (1760-1849) e Hiroshige Ando (1797-1858).

Entrementes, na Europa, a xilografia voltaria a ser intensamente utilizada para ilustrar livros, jornais e revistas, graças ao aparecimento da técnica de topo, que se difundiu durante o século dezenove pelas mãos do gravador inglês Thomas Bewick (1753-1828). Em 1775, Bewick conquistou o prêmio de gravura da Sociedade de Arte, de Londres, e deu início ao reinado da xilografia gravada em topo, reinado que durou um século, sem confronto, e manteve em ação muitas oficinas de trabalho coletivo para atender à volumosa demanda oriunda dos editores. No entanto, essa xilografia de ilustração em topo – usualmente chamada xilografia de reprodução ou xilografia de interpretação – sofreu colapso no século vinte, porque se revelou desvantajosa em relação ao inovador clichê metálico, então largamente difundido, fruto da fotografia aliada à corrosão química de metais.

Thomas Bewick

Perdendo sua função utilitária – fato que condenou ao desemprego os xilógrafos de reprodução – a gravura em madeira conheceu, entretanto, uma magnífica ressurreição, mas especificamente no campo artístico. Liberada da subserviência que lhe impunham as encomendas dos veículos de comunicação, ela passou a ser usada com liberdade criativa por artistas plásticos empolgados com a força dessa linguagem plástica, na qual evidenciam-se dramáticos contrastes entre branco e preto. Os precursores dessa nova fase na Europa foram, principalmente, o suíço Felix Valloton (1865-1925), o francês Paul Gauguin (1848-1903) e o norueguês Edvard Munch (1863-1944). Na seqüência, os expressionistas alemães (Kirchner, Heckel, Schmidt-Rottluff, Nolde, etc.) do grupo Die Brücke, de 1906, e, nas mesma época, os fauve franceses (Matisse, Derain, Dufy e Vlaminck) elevaram a xilogravura a um nível de expressão extraordinário.

Entre nós, assistiu-se à mesma evolução: enquanto a xilogravura de reprodução foi perdendo terreno, eclodiu a xilogravura artística libertada, que teve como seus pilares iniciais Osvaldo Goeldi (1895-1961) e Lasar Segall (1891-1957), e enriqueceu-se nas décadas seguintes com grande número de expressivos artistas. À margem dessa arte erudita, floresceu no Brasil toda uma plêiade de xilógrafos criativos, originários das oficinas tipográficas vinculadas à literatura de cordel, cujas raízes remontam aos cantadores nordestinos.

Oswaldo Goeldi

Lasar Segall



>>>     









:: TOPO ::