mostra temporária

 

ALFONSO BALESTERO

E SUAS

FLORES SILVESTRES” 

Alfonso Ballestero toma como tema de suas gravuras algumas pessoas que não existem para muitos dos transeuntes apressados da grande cidade. São pessoas à margem do incessante fluxo de gente. São, como diz Ballestero, “pessoas que estão em todos os lugares e ao mesmo tempo não estão em lugar nenhum”.

Esses “invisíveis” habitantes das ruas,  Ballestero vê. Captura-os fotograficamente em imagens que transfere, por meio do desenho, para pranchas de MDF. As pranchas, depois de entalhadas e de entintadas, vão gerar, pela impressão no papel, as grandes obras que nos envolvem nestas duas salas. Com ternura, o artista  lhes deu o nome de “Flores Silvestres”.

O ótimo resultado aqui exibido não é fortuito. Resultou de décadas de trabalho.

José Alfonso Ballestero-Álvarez nasceu em 1954, em São Paulo, onde continua a residir. Formou-se em Educação Artística (1999) no Centro Universitário Belas Artes, de São Paulo. Foi aprovado no Mestrado em Artes (2003) e no Doutorado em Poéticas Visuais (2007) na Universidade de São Paulo. Sempre curioso, procurou mais e mais conhecimentos, inclusive técnica de fusão de vidro, em Murano; pintura à encáustica e com têmpera a ovo, também na Itália; fotografia, etc.

Sua multifacetada formação tornou-o um estimado e eficiente professor, cujos serviços foram úteis em várias instituições (FAAP, UNICSUL, Fundação Bienal SP, etc.) Hoje, leciona na Universidade Cidade de São Paulo - UNICID.

Como artista plástico que leva a sério seu mister, participou de exposições individuais e coletivas, conquistou prêmios, escreveu livros e artigos. Porém, mais do que seu currículo, falam a seu favor suas próprias obras, como estas que a Casa da Xilogravura tem a honra de aqui exibir.

 

ALFONSO BALLESTERO

E

A MULTISSENSORIALIDADE

Chama a atenção de quem lê o currículo de Alfonso Ballestero, o seu forte envolvimento com as técnicas pelas quais se tenta dar aos deficientes sensoriais o acesso ao conteúdo das obras de artes plásticas bidimensionais. Como fazer, por exemplo, que um cego “veja” o que é mostrado por uma gravura.

A primeira experiência nesse campo, Ballestero teve-a ainda no final do curso universitário, quando se viu às voltas com uma oficina de xilogravura que organizou para um grupo de cegos. Deu certo. E o tema cativou-o para sempre.

Assim, sua dissertação de Mestrado (2003) na USP Universidade São Paulo, veio a ter o título: “Multissensorialidade no Ensino de Desenho a Cegos”.

Na sequência, a par de outros projetos, a preocupação com a multissensorialidade persistiu. Ballestero escreveu textos e deu cursos sobre o tema, ampliando-o para todos os portadores de necessidades especiais e incluindo a questão da acessibilidade. Desenvolveu, desse modo, conceitos de didática multissensorial e projetou materiais apropriados.

Seu trabalho acabou por incluir também aspectos pragmáticos da multis-sensorialidade e da acessibilidade em museus.  Nesse sentido, passou a produzir adaptações de obras para relevo, de tal modo que os cegos pudessem suprir, com o tato, parte de sua deficiência visual.

Ballestero tem dado orientação técnica sobre esses assuntos a muitas entidades (Pinacoteca de São Paulo, Museu do Futebol, Ubidades do SESC, etc.)

Temos oportunidade de ver, na Mostra Temporária, uma dessas adaptações de obra para relevo feita por Ballestero.

 

Serviço: A Casa da Xilogravura está aberta ao público das 9 às 12 e das 14 às 17 horas diariamente, de 5ª. a 2ª. feiras. (Fecha terças e quartas-feiras)

Mostra Temporária: Alfonso Ballestero - 02.01.2020 a 23.03.2020

Entrada: R$ 10,00 (Idosos, professores e estudantes com carteirinha pagam meia entrada)

Grátis para menores de 12 anos e grupos previamente agendados de escolas gratuitas.

Endereço: Av. Eduardo Moreira da Cruz, nº 295 – Vila Jaguaribe

Campos do Jordão – SP

Contato: (12) 3662 1832

Site: www.casadaxilogravura.com.br        

Facebook: www.facebook.com/casadaxilogravura/

E-mail: contato@casadaxilogravura.com.br

 

Av. Eduardo Moreira da Cruz, 295,
Campos do Jordão - São Paulo - Brasil



voltar ao topo